Coronavirus: Devemos nos preocupar após a primeira morte dos europeus?

Um italiano de 78 anos que tinha sido testado positivo ao coronavírus morreu, anunciou sexta-feira o ministro italiano da Saúde, Roberto Speranza. Sábado de manhã, um segundo paciente italiano está morto. É os primeiros europeus morrer de coronavírus. A aparência de novas casas é julgada particularmente preocupante por quem.

Sexta-feira, Adrian Trevisan, um pedreiro de 78 anos de idade, ele era o primeiro europeu a morrer depois de tomar o coronavírus chinês. Sábado, a morte de um segundo paciente italiano foi anunciada pelas autoridades. Essas mortes representam novas questões sobre a disseminação do vírus no continente, mas também em escala global. A Europa 1 assume estoque.

>> para ler também – coronavírus na França: o que fazer se pensarmos se acharmos sintomas?

cinco casos detectados na Itália, espaços públicos fechados

até agora, os casos de coronavírus na Itália foram todos identificados no norte do país. Hospitalizado por uma dúzia de dias, Adriano Trevisan foi um dos dois casos detectados em Veneto. Cinco médicos e dez outros também foram identificados como portadores do novo coronavírus na Lombardia. No total, cerca de trinta casos foram detectados na Itália, os países mais afetados da Europa pela epidemia.

As autoridades decidiram fechar espaços públicos e cancelar esportes e eventos religiosos em onze cidades. A primeira casa de infecção foi identificada como a cidade de CODOGNO em Lombardia. Nesta área a cerca de 60 km ao sudeste de Milão, mais de 50.000 pessoas foram colocadas em semi-confinamento em casa. O Diretor de Saúde em Lombardia, Julio Galera, convidou a população de cidades de Codogno, Castiglione d’Adda e CasapusterLengo a “ficar em casa como uma medida de precaução”. O chefe do governo italiano, Giuseppe Conte, garantiu que “todos sob controle”, enfatizando que o governo manteve um “nível muito alto de proteção”.

A epidemia diminui na China, que puxa o sino de alarme

ao mesmo tempo, na China, o diariamente dígito do novo caso de contaminação é para baixo com 397 casos anunciados no sábado por A Comissão Nacional de Saúde, em comparação com quase 900 sextas-feiras. As novas mortes devido ao vírus são 109, que carrega o total nacional a 2.345 mortes. Havia 118 dias antes. O número de contaminações em toda a China continental, fora de Hong Kong e Macau, é mais de 76.000.

O chefe da Organização Mundial da Saúde, Etiópia Tedros Adhanom, um desenhado o alarme sexta-feira em Genebra: “Como Nós falamos, ainda estamos em uma fase onde é possível conter a epidemia “. Mas a “janela de tiro estreita”, ele avisou, deplorando a falta de apoio financeiro internacional. Quem está preocupado porque alguns novos casos são atípicos: as pessoas infectadas não teriam nenhum link recente com a China e nenhum contato com outros pacientes.

As lareiras da doença continuam a enxar: Os primeiros casos foram identificados no Líbano, Israel e quatro mortos no Irã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *